Blog

Bitcoin: saiba como funciona a moeda virtual criada em 2008 e que chegou a valer mais de R$ 20 mil em 2017

No comments

Esqueça por um momento tudo que você aprendeu sobre como uma moeda é emitida.

Ao invés de falar em Banco Central, governos ou bancos, comece a se familiarizar com os “mineradores”, o “blockchain”, a “rede ponto a ponto”.

Apesar do entendimento complexo, o bitcoin tem ganhado fama, conquistado pessoas ao redor do mundo e atraído milhões de investidores. Criada em 2008, o bitcoin é a criptomoeda mais famosa da atualidade. A moeda não pode ser impressa ou “materializada”, ela precisa ser descoberta. Milhares de computadores em volta do mundo “mineram” moedas, competindo uns com os outros para validar as operações e formar um bloco.

Atualmente, cada bloco gera 12,5 bitcoins, que são divididos entre os computadores que estavam minerando naquele momento (a divisão é feita de acordo com a capacidade de processamento do computador que está minerando). A briga é grande porque a moeda é um bem escasso — só é possível existir 21 milhões. Em nove anos, já foram emitidos mais de 16 milhões. Mas, como a moeda funciona? De que forma é possível realizar pagamentos com ela? Como as transações ocorrem? E por que ao falar de bitcoin falamos de blockchain? Tiramos suas dúvidas abaixo. Confira:

O que é o bitcoin?
É uma moeda digital, que pode ser recebida e enviada pela internet. Sua emissão é realizada de forma descentralizada, ou seja, sem o controle de uma instituição financeira ou de bancos. É diferente, portanto, da circulação de cédulas de dinheiro que geralmente é fiscalizada pelo banco central do país

Para que serve um bitcoin?
Pode ser utilizado para realizar pagamentos de bens e serviços ou para receber por eles. Há grandes empresas que já aceitam bitcoin (Dell, Expedia e Microsoft), além de lojas virtuais e estabelecimentos físicos pelo mundo. De forma geral, porém, ainda não é algo disseminado no mundo — no Brasil, são pouquíssimos os estabelecimentos que aceitam. “Acredito que esse uso ainda está engatinhando por conta da imensa valorização que a moeda teve nos últimos anos. Um bitcoin chegou a valer R$ 20 mil neste ano. Assim, os estabelecimentos acabam recebendo ainda muito pouco pagamentos com essa moeda”, diz Rodrigo Batista, CEO do Mercado Bitcoin.
Como tem sido mais utilizado?
Na prática, o bitcoin tem sido mais utilizado para realizar transações financeiras diretas no mundo inteiro. Principalmente para a transferência de pequenas quantias de dinheiro entre países. Isso porque é uma moeda incipiente e com escassa regulamentação. Tem crescido também o número de pessoas que olham para a moeda com um investimento — devido à sua alta volatilidade de preço. “No começo, quem comprava a moeda era um público mais jovem, ligado a tecnologia. Hoje, já atingimos um público mais velho, de até 50 anos, com maior poder aquisitivo e conhecimento em finanças. Eles veem o bitcoin como um modo de diversificar o portfólio. Compram para vender daqui a alguns anos. Há também, claro, quem faz trade e compra e vende todos os dias”, diz Guto Schiavon, COO da corretora de bitcoins Foxbit.
Como é calculado o preço do bitcoin?
Não é controlado, não está ligado a um possível custo de emissão. O preço é reflexo da oferta e demanda. Quando há grande demanda de compra, a tendência é o preço subir, quando há grande oferta de venda, a tendência é cair. Diversos fatores podem influenciar sua volatilidade, como intervenções do governo na circulação da moeda. “Quando o presidente do JP Morgan disse que o bitcoin era o fraude, o preço caiu muito. Quando um governo fala que vai proibir a moeda, o preço também cai. Agora, quando um governo diz que vai proibir saída de dinheiro do país para o exterior, o bitcoin tende a subir porque as pessoas veem nele uma forma de continuar realizando suas transações”, diz Schiavon.
Como o bitcoin funciona?
O bitcoin é a primeira aplicação prática da tecnologia blockchain (cadeia de blocos).
Como funciona o blockchain?
Essa tecnologia funciona de uma forma semelhante ao torrent, utilizado para compartilhar arquivos (como filmes e músicas) pela internet. Não há uma rede central que controla as transferências. A rede é mantida por diversos e aleatórios computadores espalhados pelo mundo com softwares que vão processando as informações inseridas nela. São eles que mantêm a rede funcionando — assim como no torrent, não há um servidor único que recebe os dados. Todo computador ligado ao mesmo tempo é um ponto de envio de um arquivo, como também é um ponto para recebimento de um arquivo. Cada um é um “nó” da chamada rede peer-to-peer (ponto a ponto) e pode receber e enviar transações.Quando você realiza um pagamento em bitcoin, seu software (ou da corretora/site) se conecta a outros computadores espalhados pelo mundo, sinalizando que você está enviando determinado montante ao destinatário que te vendeu um produto. O “comprovante” dessa transação chegará a outro computador (nó) da rede e será replicado para outros computadores. O processo irá ocorrer até que seja formado um “bloco” criptografado, que tem as informações da sua transação e de todas as outras que foram feitas naquele período de tempo. Atualmente, um bloco é formado aproximadamente a cada 10 minutos.

Os blocos serão transmitidos de novo para outros computadores até que a transação seja, enfim, confirmada. Cada item guardado nesses blocos tem uma espécie de assinatura digital, formada por uma sequência de números e letras. Juntos, os blocos formam um grande banco de dados públicos, remotos e invioláveis. É por isso que nenhuma transação pode ser “cancelada”. Neste imenso banco, estão registrados todas as transações realizadas por bitcoins desde seu início, no final de 2008.

Como funciona na prática a blockchain do bitcoin?
Na “superfície”, enviar e receber bitcoins é parecido com o processo de envio e recebimento de emails. As pessoas compram bitcoins através de sites ou corretoras especializadas (no Brasil, as três maiores são: FoxBit, Mercado BitCoin e Bitcointoyou). Lá, os clientes criam suas carteiras digitais, que geram uma chave privada que irá garantir que aquele bitcoin pertence a você. A cada transação, é preciso gerar um endereço. Como no email, você precisa saber o endereço de quem quer enviar um bitcoin ou fornecer o seu se quiser receber bitcoin. Digita-se o valor de bitcoins ou a fração dele para envio e o endereço. Uma vez iniciada a transação, ela será enviada a todos os computadores ligados à rede blockchain do bitcoin.
Os participantes da rede verificam a autenticidade da transação, bem como se os bitcoins envolvidos nela realmente existem. Lembre-se que cada “moeda” bitcoin tem sua própria assinatura digital. Uma vez checada, a transação é reunida a todas as demais realizadas no mesmo intervalo de tempo que a dela e, posteriormente, é criptografada (colocada em blocos). Esse trabalho é feito por membros da rede conhecidos como “mineradores”. Uma vez pronto, o novo bloco é datado e enviado para toda a rede, que checa condições de segurança e o inclui na cadeia de blocos original. Com a operação validada, a pessoa que você enviou o pagamento receberá os bitcoins.

Fonte: Época Negócios 

PolomastherBitcoin: saiba como funciona a moeda virtual criada em 2008 e que chegou a valer mais de R$ 20 mil em 2017

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *